O que você deve saber sobre o Batismo no Espírito Santo

“Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” At 1.5
Uma das doutrinas principais das Escrituras é o batismo no Espírito Santo. A respeito do batismo no Espírito Santo, a Palavra de Deus ensina o seguinte: 

1. O batismo no Espírito é para todos que professam sua fé em Cristo; que nasceram de novo, e, assim, receberam o Espírito Santo para neles habitar. 

2. Um dos alvos principais de Cristo na sua missão terrena foi batizar seu povo no Espírito (Mt 3.11; Mc 1.8; Lc 3.16; Jo 1.33). Ele ordenou aos discípulos não começarem a testemunhar até que fossem batizados no Espírito Santo e revestidos do poder do alto (Lc 24.49; At 1.4,5,8). 

3. O batismo no Espírito Santo é uma obra distinta e à parte da regeneração (Novo Nascimento), também por Ele efetuada. Assim como a obra santificadora do Espírito é distinta e completiva em relação à obra regeneradora do mesmo Espírito, assim também o batismo no Espírito complementa a obra regeneradora e santificadora do Espírito. No mesmo dia em que Jesus ressuscitou, Ele assoprou sobre seus discípulos e disse: “Recebei o Espírito Santo” (Jo 20.22), indicando que a regeneração (Novo Nascimento) e a nova vida estavam-lhes sendo concedidas. Depois, Ele lhes disse que também deviam ser “revestidos de poder” pelo Espírito Santo (Lc 24.49; cf. At 1.5,8). Portanto, este batismo é uma experiência subseqüente à regeneração (Novo Nascimento). 

4. Ser batizado no Espírito significa experimentar a plenitude do Espírito, (cf. 1.5; 2.4). Este batismo teria lugar somente a partir do dia de Pentecoste. Quanto aos que foram cheios do Espírito Santo antes do dia de Pentecoste (e.g. Lc 1.15,67), Lucas não emprega a expressão “batizados no Espírito Santo”. Este evento só ocorreria depois da ascensão de Cristo (1.2-5; Lc 24.49-51, Jo 16.7-14). 

5. O livro de Atos descreve o falar noutras línguas como o sinal inicial do batismo no Espírito Santo (2.4; 10.45,46; 19.6). 

6. O batismo no Espírito Santo outorgará ao crente ousadia e poder celestial para este realizar grandes obras em nome de Cristo e ter eficácia no seu testemunho e pregação (cf. 1.8; 2.14-41; 4.31; 6.8; Rm 15.18,19; 1Co 2.4). Esse poder não se trata de uma força impessoal, mas de uma manifestação do Espírito Santo, na qual a presença, a glória e a operação de Jesus estão presentes com seu povo (Jo 14.16-18; 16.14; 1Co 12.7). 

7. Outros resultados do genuíno batismo no Espírito Santo são: 

a. mensagens proféticas e louvores (2.4, 17; 10.46; 1Co 14.2,15);

 b. maior sensibilidade contra o pecado que entristece o Espírito Santo, uma maior busca da retidão e uma percepção mais profunda do juízo divino contra a impiedade (ver Jo 16.8; At 1.8); 

c. uma vida que glorifica a Jesus Cristo (Jo 16.13,14; At 4.33); 

d. visão da parte do Espírito (2.17); 

e. manifestação dos vários dons do Espírito Santo (1Co 12.4-10); 

f. maior desejo de orar e interceder (2.41,42; 3.1; 4.23-31; 6.4; 10.9; Rm 8.26); 

g. maior amor à Palavra de Deus e melhor compreensão dela (Jo 16.13; At 2.42); e

 h. uma convicção cada vez maior de Deus como nosso Pai (At 1.4; Rm 8.15; Gl 4.6). 

8. A Palavra de Deus cita várias condições prévias para o batismo no Espírito Santo. 

a. Devemos aceitar pela fé a Jesus Cristo como Senhor e Salvador e apartar-nos do pecado e do mundo (2.38-40; 8.12-17). Isto importa em submeter a Deus a nossa vontade (“àqueles que lhe obedecem”, 5.32). Devemos abandonar tudo o que ofende a Deus, para então podermos ser “vaso para honra, santificado e idôneo para o uso do Senhor” (2Tm 2.21). 

b. É preciso querer o batismo. O crente deve ter grande fome e sede pelo batismo no Espírito Santo (Jo 7.37-39; cf. Is 44.3; Mt 5.6; 6.33). 

c. Muitos recebem o batismo como resposta à oração neste sentido (Lc 11.13; At 1.14; 2.1-4; 4.31; 8.15,17). 

d. Devemos esperar convictos que Deus nos batizará no Espírito Santo (Mc 11.24; At 1.4,5). 

9. O batismo no Espírito Santo permanece na vida do crente mediante a oração (4.31), o testemunho (4.31, 33), a adoração no Espírito (Ef 5.18,19) e uma vida santificada (ver Ef 5.18 notas). Por mais poderosa que seja a experiência inicial do batismo no Espírito Santo sobre o crente, se ela não for expressa numa vida de oração, de testemunho e de santidade, logo se tornará numa glória desvanecente. 

10. O batismo no Espírito Santo ocorre uma só vez na vida do crente e move-o à consagração à obra de Deus, para, assim, testemunhar com poder e retidão. A Bíblia fala de renovações posteriores ao batismo inicial do Espírito Santo (ver 4.31 nota; cf. 2.4; 4.8, 31; 13.9; Ef 5.18). O batismo no Espírito, portanto, conduz o crente a um relacionamento com o Espírito, que deve ser renovado (4.31) e conservado (Ef 5.18).

Autor: Donald Stamps foi missionário no Brasil, autor da Bíblia de Estudo Pentecostal e Mestre em Teologia.

Existe uma Fonte no deserto, mas existe Sede?

“E vós, com alegria, tirareis águas das fontes da salvação.” (Isaías 12:3)

Imagine-se caminhando há horas num deserto escaldante, quando, de repente, você encontra uma fonte de água, um pedacinho do Paraíso em meio ao calor. Não é difícil imaginar o que você faria, não é?

Com certeza, você correria em direção à fonte, beberia o máximo de água que conseguisse e se banharia, contente em livrar-se da força do sol por alguns instantes.

Deixemos de lado agora essa bela imagem de você se esbaldando em uma fonte de água em meio ao deserto e passemos a falar de outro “deserto” e de outra “fonte de água“.

Falemos de um deserto mais escaldante do que qualquer outro, chamado Vida.

Sim, sua vida pode ter se tornado um deserto.

Um deserto de relacionamentos desgastados.
Um deserto de dúvidas torturantes.
Um deserto de problemas que parecem infinitos.

E, assim como um deserto é cercado de areia por todos os lados, seu deserto também pode estar cercado por algumas coisas.

Cercado de pessoas sem coração.
Cercado de solidão.
Cercado de desespero.

 

A boa notícia, porém, vem da existência de uma “fonte de água” chamada Salvação.

Ao contrário das outras, ela é Infinita.
Ao contrário das outras, seus recursos são Ilimitados.
Ao contrário das outras, ela não possui apenas água.

Da Fonte da Salvação você pode retirar tudo o que precisa…

Baldes cheios com Esperança.
Litros e litros de Alegria.
Doses gigantescas de .

A Fonte da Salvação é um pilar eterno, posto exatamente no meio do Deserto da Vida.

Ela é acessível a todos e funciona 24 horas por dia.

A grande questão de hoje é:

Você tem se utilizado da Fonte da Salvação para vencer o Deserto da Vida?

Além disso, você tem matado a sede da sua Alma, assim como você sacia a sede de seu corpo?

Por que temer, se há tanta Coragem na Fonte?
Por que chorar, se lá há tanta Alegria disponível?
Por que ansiar, se podemos retirar de lá tanta Paz quanto precisarmos?

Jesus não quer ser um balde d’água em nossas vidas, utilizado apenas de vez em quando, com água suficiente apenas para nos molhar.
Jesus deseja ser uma Fonte, utilizada incessantemente, com água ilimitada, mais do que suficiente para nos encharcar.

Beba da Fonte. Procure-a nos seus momentos mais difíceis.

Aos que andam “morrendo de calor” no Deserto da Vida, uma boa notícia: A Fonte está lá!

Vá até ela e derrame-se!

Somente um tolo deixaria escapar uma Fonte tão maravilhosa assim…

A Blasfêmia contra o Espírito Santo

“Portanto vos digo: Todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. Se alguém disser alguma palavra contra o Filho do Homem, isso lhe será perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo, nem no vindouro.” (Mateus 12.31-32)

Poucos tópicos bíblicos geram mais discussão do que o pecado contra o Espírito Santo. Todos parecem saber que esse tipo de falta é imperdoável, mas as opiniões diferem amplamente quanto ao que ele é.
Há quem diga que é o suicídio, uma vez que nosso corpo é templo do Espírito. Outros preferem dizer que é o adultério, pois os cônjuges estariam negando uma união abençoada por Deus. E por aí vão as divagações.
O que se tem certeza é de que, para quem comete este pecado, conforme disse Jesus, não há perdão, sendo tal pessoa acusada de cometer pecado eterno.
“Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca mais terá perdão, mas será réu de pecado eterno.” (Marcos 3.29)
Antes de mais nada, cabe saber o significado da palavra “blasfemar”. Nada mais é do que injuriar, caluniar, insultar alguém.
Daí, a chave para desvendar qual tipo de erro é o pecado contra o Espírito fica em entender que a blasfêmia é um pecado que só pode ser feito por meio de palavras. Ela configura numa declaração sua contra a pessoa de outrem, no caso, o Espírito Santo. É um pecado que você comete com a sua boca ou escrevendo-o. Assim sendo, é um pecado verbal.
A blasfêmia contra o Espírito Santo tem a ver com o dizer algo contra Ele.
Trata-se de atribuir a ação do Espírito Santo a Satanás, ou igualando ambas ao mesmo patamar. Exemplo disso foi o que os fariseus praticaram quando Jesus realizou alguns milagres, afirmando que Ele fez tais obras em nome de Belzebu, o maioral dos demônios.
Trazendo à nossa realidade, este pecado se caracteriza quando alguém, que se declara cristão, deixa de acreditar na obra do Espírito Santo e confessa sua falta de fé através de palavras, sejam estas faladas ou escritas.
Muitos podem até estar cometendo este tipo de transgressão e nem se dão conta. É preciso uma auto-análise para que verifiquemos constantemente se não estamos faltando com o devido respeito à pessoa do Espírito Santo.
Somos responsáveis por nossas palavras e atos. O que dizemos e fazemos reflete nossa verdadeira natureza. Não há nada que saia de nossa boca que não estivesse antes em nossa mente. Precisamos, pois, vigiar nossa língua e nosso coração.

E A RESPEITO DE FALAR EM OUTRAS LÍNGUAS?

Qual a evidência inicial do batismo com o Espírito Santo? Este assunto tem sido tratado tantas vezes que aqui faremos uma breve recapitulação de exemplos de pessoas batizadas, conforme registrado no Livro de Atos dos Apóstolos. As Escrituras dão a conhecer de maneira vigorosa que o falar em outras línguas é a evidência inicial desse batismo.

1.  Lê-se em Atos 2.4: E todos [os 120 cristãos, inclusive a própria mãe e os irmãos de Jesus] foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

2. Em At 8.17,18 é salientado o fato de ter Simão percebido que haviam recebido o Espírito Santo. Comparando-se outras passagens das Escrituras, a única conclusão lógica é que ele viu as pessoas começarem a falar em línguas quando houve sobre elas a imposição de mãos.

3.  Em Atos 9.17 é relatado que houve imposição de mãos sobre Paulo para que recebesse o Espírito Santo. Sabemos que falou em línguas, pois ele mesmo declarou: Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos (1 Co 14.18).

4.  Em Atos 10.46 é relatado que os gentios receberam o Espírito Santo; Pedro diz que os ouviu falar em línguas.

5. Em Atos 19.6 é mostrado que, Paulo, impondo as mãos sobre os efésios para que recebessem o Espírito Santo, viu que eles tanto falavam em língua como profetizavam.

A questão não é saber se os cristãos falam em línguas ao receberem o batismo com o espírito, pois esse é o padrão bíblico, mas inquirir sobre a razão por que passam pela experiência de falar em outras línguas. Qual o propósito divino dessa manifestação?

A respeito desse assunto estaremos tratando nas proximas matérias do Blog. Não perca!!!

SETE RAZÕES POR QUE PRECISO DO BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

Mediante a necessidade da Igreja que se apresentou a mim nos últimos dias, em que percebi o número assustante de pessoas na Igreja Cristã que ainda não foram batizadas com o Espírito Santo. Estarei colocando conteúdos relacionados a esse Batismo. Você quer realmente nascer de novo? Quer receber o Espírito Santo na sua vida? Então acompanhe as matérias que estarei colocando aqui no Blog Universo Universal.

Leia o resto deste artigo »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.742 outros seguidores